Home

pétalas-de-rosa

Se olhar para o que não podemos ter nos causa dor, eu desde que te conheci tornei-me num masoquista. Sei desde a primeira vez que te vi que nunca poderei ser teu, que nunca poderás ser minha, mas não consigo deixar de olhar para ti. E dói. É uma dor que não desaparece nos dias, os dias desaparecem na dor. Agora mesmo alguém que me atire um calendário à cara, porque eu já não sei em que dia nem em que mês estou. De que serve essa informação? Seja qual for o dia é mais um que estou sem ti.

Escrevo estas linhas sem ver a esperança aumentar, se a vida fosse um filme eu seria o escritor frustrado que no final encontraria o amor e mais um folgo para a vida e para a criatividade no trabalho. Mas isto não é um filme e tu não és uma personagem.

Se a vida é madrasta eu nasci num orfanato. Se a vida são dois dias é uma eternidade sem ti. Se a vida é um carnaval eu sou o bobo da corte. Se a vida tem sentido, mesmo com 20 bússolas, sem ti estou desnorteado.

Amparam-me! Por favor amparam-me! Aparam-me desta queda, porque quando eu chegar ao fundo vai doer. Estou em queda livre desde o dia em que disseste que te querias ver livre de mim. Aparam-me! Por favor ampara-me…

Lembro-me de ti como se estivesses presente. Tinhas uns olhos tão bonitos, um fazia-me lembrar o brilho do mar e o outro a luz da lua. Eras estrábica. Mas ainda assim o seu brilho era mesmo tão bonito quando eu saía no seu reflexo.

Contigo ia para todo o lado, como aqueles casais que andam sempre juntinhos. Passado pouco tempo seriamos capazes de nos reconhecer a 50 metros de distância só pelo odor dos nossos puns. Seria um relacionamento fascinante, pelo menos a nível de feromonas.

Tantas pessoas a fazer sexo neste momento, algumas nem precisam de pagar e eu aqui. Tenho tentado tudo para não sentir a falta de sexo. Tomo banho com Herbal Essences e há mais de uma semana que só como iogurtes adágio momentos exóticos… Fazes-me falta.

Não há nada mais certo do que a vida te levar por caminhos incertos. E eu por ti faria tudo. Ia para além da morte. Faria um empréstimo com taxa Euribor variável e alugávamos um T2 na Costa da Caparica.

Lembro-me quando te conheci, achava que ficavas melhor sem aparelho… e sem a parte de cima do pescoço. Eras daquelas mulheres impacientes, capaz de engravidar só para teres prioridade na fila da caixa do Pingo Doce.

Lembras-te daquela noite que dormimos juntos? Não consigo deixar de pensar em ti, na falta que me fazes e na falta que faz um grupo de apoio para homens que têm mulheres que ressonam.

Juntos éramos a casa ideal à portuguesa. Eu, homem enxuto. Tu, mulher prendada. Foi amor à primeira música. Lembras-te? E não era Tony Carreira, era mesmo música.

Mas agora o nosso relacionamento está por um fio, até diria que é pelo fio do telefone, mas actualmente na era do wireless, nem isso…

E dói. É uma dor que não desaparece nos dias, os dias desaparecem na dor… Se olhar para o que não podemos ter nos causa dor, eu desde que te conheci tornei-me num masoquista.

Anúncios

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s