Home


De todos os objectos usados na astúcia do comércio religioso, o corta-unhas é o que me causa maior admiração, a não ser que alguém precise de um milagre para cortar as unhas, não consigo perceber a sua utilidade.

O merchandising é tanto que até um mero corta-unhas vem com a imagem de Nossa Senhora, talvez o maior problema dos fies seja as unhas encravadas, à custa de tantas peregrinações. Um dia gostava de entender o que leva as pessoas a fazerem centenas de quilómetros a pé até Fátima e trazerem de volta este utensílio como recordação. Será que pensam que se Nossa Senhora de Fátima voltasse à Terra iria gostar de ver a sua imagem num corta unhas? Creio que não. Aliás muita gente se pergunta porque é que ela nunca mais apareceu e, a meu ver, a resposta parece-me clara: corta-unhas. A nível de badalhoquice acredito que estará apenas um patamar acima do papel higiénico e mesmo atrás de ver o Peso Pesado da SIC.

Eu só me pergunto, quem terá sido o génio do marketing que pensou em colocar a imagem de Fátima num corta-unhas? Com tantos outros objectos igualmente bonitos e repugnantes, onde a imagem de Nossa Senhora tão bem se enquadraria, como Cotonetes da alma, Piaçabas de Fátima ou até mesmo Santas Palmilhas Anti-Chulé. É uma questão que ficará seguramente para posteridade, quiçá para futuros génios da filosofia resolverem.

Ou será que este incauto criador era acima de tudo um pensador do sentido da existência, que procurou criar uma bonita metáfora da vida. Quando cortas uma unha nunca sabes bem qual vai ser o seu destino. Tal e qual a encruzilhada da vida. Será que era isto que nos queria dizer? Certamente os católicos irão arranjar justificação para tudo.

Uma das questões que se levanta, graças a este utensílio, é saber que tipo de corta-unhas com a imagem de Nossa Senhora se deve comprar? Será que devo optar pelo corta-unhas que serve unicamente para a função que o próprio nome descreve, ou será que devo optar pelo upgrade da lima incluída? Será que com lima os milagres produzidos ficam mais lisinhos, ao contrário da imperfeição milagrosa que um modelo simples produz?

Ainda assim, é com agrado que finalmente verifico uma imagem religiosa com utilidade prática. Jesus era louvado pelos católicos porque curava leprosos, para mim, Fátima é importante porque sempre me cortou as unhas dos pés. E das mãos também.

É amplamente aceite pelos cristãos venderem corta-unhas com a imagem de Nossa Senhora de Fátima, mas depois uma pessoa não pode ir à igreja de chinelos. Parece-me algo contraditório. Eu que só queria ir rezar e mostrar o bom desempenho que Fátima tem feito pelas minhas unhas.

Fátima “apareceu” em cima de uma azinheira. Temos bolotas de Nossa Senhora? Não, mas temos corta-unhas. Onde é que está lógica? Só faria sentido se ela tivesse aparecido aos peregrinos enquanto cortava as unhas. Mas isso não aconteceu e muita bolota as criançolas devem ter fumado para alucinarem daquela maneira.

P.S.: Para que é aquela argola no corta-unhas? Existe mesmo alguém que o pendura, ou será que o usam como porta-chaves?


Anúncios

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s